• Gabriel Juan

Regra dos Terços: a harmonia que faltava nas suas fotos

A Regra dos Terços é uma ferramenta essencial para fazer fotos incríveis, que guiam o olhar de quem observa para os pontos mais importantes e cria um equilíbrio confortável na composição.
Aparecida e Tarcísio | Fotografia por Gabriel Juan

“PERFEITAMENTE EQUILIBRADO. COMO TODAS AS COISAS DEVEM SER.”

(THANOS, 2018)*


Talvez você nunca tenha parado pra pensar sobre isso, mas cada vez que tiramos uma foto, nós planejamos o enquadramento dela, mesmo que não tenhamos nenhum conhecimento técnico de composição profissional.


Ora, a gente pensa no enquadramento porque somos nós que apontamos a câmera - ou o celular, seja o que for - para alguém, para algum objeto, ou uma paisagem, e decidimos com um pouquinho de inclinação aqui, um pouquinho de zoom talvez, o que deve estar dentro da foto e o que deve estar fora.


Isso é pensar no enquadramento, literalmente, aliás, porque se sua foto fosse uma tela, a decisão sempre seria sua de escolher o que vai dentro da moldura e o que não vai.


Raíssa procurando o melhor enquadramento para o nascer do sol.

Mas há um porém: nem sempre uma fotografia vai conseguir transmitir uma boa história para quem observa, mesmo se todos os elementos e personagens dessa história estiverem lá, presentes, dentro do enquadramento.


A mera existência de coisas dentro de uma foto não é capaz de dizer por si só o motivo pelo qual você clicou e resolveu imortalizar aquela cena.

Se não houver uma harmonia visual que garanta certos equilíbrios narrativos naquela situação que você fotografou, o meu olhar como observador vai ficar confuso, perdido e até apático, porque o que eu vou ver é um registro onde as coisas não conversam, não se hierarquizam, não guiam o meu olhar e não me convidam a, sequer, ficar curioso.


Muito antes do surgimento da fotografia, os pintores mais tradicionais já pensavam sobre como dispor os elementos e personagens dentro de uma imagem de forma que ela passasse alguma mensagem pra quem vê, e, de lucro, ainda causasse um conforto visual neste mesmo observador.


Assim surgiu, dentre muitas outras, a Regra dos Terços: uma técnica simples mas muito poderosa para compor fotografias mais bonitas e equilibradas.


Bora conhecer?


* Se você não entendeu a referência, saia dessa caverna e assista à Vingadores: Guerra Infinita (2018).



COMO A REGRA DOS TERÇOS FUNCIONA E POR QUE ELA É IMPORTANTE?


A Regra dos Terços funciona basicamente assim: proponha uma grade imaginária composta por 4 linhas - 2 horizontais e 2 verticais - que dividem sua foto em 9 partes iguais.


Essas 4 linhas se cruzam em 4 pontos estratégicos, chamados de pontos de tensão.


Regra dos Terços: em vermelho estão os pontos de tensão.

A ideia de Regra dos Terços é usar tanto as linhas demarcadas quanto os pontos de tensão a seu favor para posicionar e organizar os elementos na foto.


Vamos ver alguns exemplos:


USANDO AS LINHAS HORIZONTAIS


As linhas horizontais da Regra dos Terços são usadas principalmente quando fotografamos paisagens: ao invés de deixarmos a linha do horizonte centralizada, podemos alinhá-la com a linha inferior, se for interessante dar mais espaço pro céu, ou com a linha superior, quando as montanhas e planícies merecem mais atenção.


Nessa foto, o mar é mais importante: então ele ocupa 2/3 da foto.
Nessa foto, céu, mar e areia dividem igualmente a atenção.

As linhas horizontais também podem ajudar no posicionamento de pessoas em fotos de retratos. Quando fazemos uma foto mais próxima, em close, de uma modelo, podemos posicionar seus olhos na linha superior da grade, como no exemplo abaixo:


Os olhos da Beatriz e da Júlia estão alinhados com a linha superior.

Ou, ainda, em fotos mais distantes, onde o corpo toma mais espaço na foto, posicionamos a cabeça da nossa personagem também na linha de cima, criando mais harmonia.


Rosto da Beatriz posicionado conforme a regra.

USANDO AS LINHAS VERTICAIS


As linhas verticais - ou colunas - presentes na Regra dos Terços são usadas para posicionar os elementos em relação ao restante do espaço da foto, mais à direita ou mais à esquerda.


Podemos alinhar nessas marcações objetos compridos como prédios, torres, árvores e monumentos. Veja alguns exemplos:



O mourão da cerca alinhado à esquerda.
A torre da igreja alinhada à direita.

USANDO OS PONTOS DE TENSÃO


As intersecções que ocorrem entre as linhas verticais e horizontais da grade 3x3 são chamados de pontos de tensão.


Desde a antiguidade já se concluiu que nosso olhar costuma convergir sempre pra esses pontos, quando admiramos uma foto ou uma pintura.


Justamente por causa disso, é importante posicionar os elementos mais importantes da sua foto o mais próximo possível destes pontos específicos, pra contar pra todo mundo, através da fotografia, em quê exatamente você quer dar ênfase no seu clique.



O Luiz é meu ponto de referência mais importante.
Neste caso, o ponto de tensão ficou próximo aos olhos da Milena.

A HISTÓRIA DA ARTE É PROVA DISSO TUDO


Se você ainda não se sentiu convencido ou convencida o bastante de que a Regra dos Terços é uma técnica antiga, portanto comprovada, de harmonização da imagem, confira abaixo (e se permita alguns minutos valiosos de contemplação artística) algumas pinturas famosas de diversas vanguardas artísticas que dispõem de seus elementos organizados conforme essa composição:





CONSTRUA SIGNIFICADOS PROFUNDOS TOMANDO DECISÕES SIMPLES


Agora que já aprendemos o feijão-com-arroz da Regra dos Terços, é hora de ir um pouco mais fundo e pensar sobre as várias formas de posicionar os elementos da sua foto dentro da grade, e suas consequências no significado que você quer passar através daquela fotografia.


Vou dar um exemplo prático de uma foto muito significativa pra mim que produzi em um dos meus ensaios:



Liberdade: Ensaio de Daiany Santos por Gabriel Juan

Naturalmente, como acontece em todo ensaio, eu costumo realizar a entrega das fotos juntamente com uma pequena defesa argumentativa, que tenha conexão com a personalidade ou alguma história ligada à modelo que me escolheu pra lhe fotografar.


Veja o que escrevi sobre essa foto, especificamente:


LIBERDADE
Depois de uma longa jornada, a modelo se vê acuada com a possibilidade ter que esperar tempo demais para conquistar sua autonomia e viver conforme sua vontade.
A modelo aponta seu rosto pro céu, pressentindo com esperança um novo futuro.
Os pássaros sobrevoam a personagem em revoada, representando a liberdade do vôo no espaço.
Os braços abertos, por último, simbolizam receptividade para novas experiências que virão nos próximos anos.

Eu quis muito enfatizar, com essa fotografia, o quanto a modelo estava aberta para olhar pro futuro que lhe aguardava.


Pra isso, foi importante que eu posicionasse seu corpo à esquerda da foto, com seu rosto virado para frente, voltado para o lado direito do quadro, pra criar esse contraste entre o grande espaço vazio que ela estava prestes a enfrentar e o lugar que ela ocupava no momento presente.


A fotografia poderia funcionar invertida? Dificilmente… Olha só:



A mesma foto, só que invertida.

O modelo de leitura ocidental é feito da esquerda para a direita, de cima pra baixo, então naturalmente meu imaginário criou o conceito de futuro sempre pendendo pro lado direito de uma imagem, assim como o fim de um texto escrito se encontra na extremidade direita da linha.


A fotografia teria o mesmo significado se ela estivesse posicionada no ponto de tensão inferior direito? Com certeza NÃO!


Simulei a situação onde o enquadramento contasse com a Daiany no ponto de tensão inferior direito.

Se ela estivesse na mesma pose, porém posicionada em outro canto do quadro, talvez o significado latente da foto seria muito mais algo como “abandonei meu passado sem peso na consciência” do que “enfrento o futuro com coragem e liberdade”, isso porque, neste caso, haveria muito mais espaço em branco nas costas da modelo, evidenciando essa relação de desapego com o que já se passou pelo seu caminho.


Além desse, você pode analisar muitos outros exemplos interessantes de como o posicionamento dos elementos importantes de uma foto, dispostos ou não dentro dos pontos de tensão da regra dos terços, pode modificar intensamente os significados e as histórias que determinada fotografia pode construir.



COMO ATIVAR A GRADE PRA JÁ SAIR USANDO?


Não importa qual dispositivo você use, atualmente, para fotografar: sempre haverá uma forma de sobrepor a grade 3x3 no visor da tela pra que sua composição fique mais certeira na hora do clique.


Vamos ver?


SE VOCÊ TÊM UM IPHONE, ENTÃO:


  • Vá no aplicativo AJUSTES;

  • Toque em CÂMERA;

  • Ative a opção GRADE;


Grade 3x3 no iPhone | Fonte: iPhone Photography School

SE VOCÊ TEM UM CELULAR ANDROID, ENTÃO:


Cada celular Android tem uma interface um pouco diferente da outra, porque cada empresa (Samsung, LG, Motorola, Xiaomi, etc…), constrói e organiza os aplicativos de forma diferente.


Mas, em geral, a opção de ativar a grade da regra dos terços fica dentro do próprio aplicativo da Câmera: às vezes ele pode ser ligado e desligado logo de cara, em algum cantinho do menu, e às vezes você precisa entrar um pouco mais fundo nas configurações para ativar essa opção.


Ativando a grade 3x3 no Andoid | Fonte: AirMore

SE VOCÊ TEM UMA CÂMERA PROFISSIONAL, ENTÃO:


Neste caso específico, talvez você precise usar um pouco da sua imaginação, e eu vou explicar o porquê: Em todas as câmeras que chamamos de profissionais ou até as semi-profissionais, geralmente contamos com duas formas de enxergar o que vamos fotografar: pelo viewfinder ou pelo liveview.


Que nomes são esses, pelo amor de Deus?


O viewfinder é aquela janelinha em que a gente encosta o olho pra observar diretamente o que a lente está captando.


Toda a luz que entra pela câmera bate em uma série de espelhos e vai direto pros seus olhos. Geralmente os viewfinders não contam com a opção de grade 3x3, justamente por serem estruturas mecânicas, e não digitais.


Nesses casos, é bom que você treine muito com celulares ou outros equipamentos, antes de ser capaz de projetar, na sua imaginação, a regra dos terços em cima das suas fotos no momento do clique.



Fonte: Photography Stack Exchange

Já pelo liveview a história é outra: ele é basicamente o visor LCD da sua câmera, que vai mostrar quase que em tempo real o que o sensor dela está absorvendo. Neste caso, que é virtual, é quase sempre possível encontrar com muita facilidade nas configurações da câmera como ativar a grade da regra dos terços.



Ativando a Grade 3x3 em uma Canon. | Fonte: Dummies.com


CONHEÇA OUTRAS REGRAS, E QUANDO QUISER, NÃO APLIQUE NENHUMA!


Agora, na conclusão vou mostrar aqui algumas outras estratégias interessantes que existem além da Regra dos Terços em si.


Elas também são usadas para construir enquadramentos interessantes, partindo também de estruturas geométricas e matemáticas.


Experimente fotografar pensando nelas e veja quais delas melhor se aplicam à forma com que sua criatividade costuma fluir:


GRADE 4X2

Grade 4x2

A grade 4x2 conta com três pontos de tensão localizados bem no centro horizontal da foto. Serve geralmente para alinhar elementos triplos e criar conceitos triádicos, que já são muito pregnantes na nossa vida, por exemplo:


  • Pai, Filho e Espírito Santo;

  • Executivo, Legislativo e Judiciário;

  • As Cores Primárias: Azul, Amarelo e Vermelho;

  • Três Espiãs Demais (esse também vale né?)

Cruz Central

CRUZ CENTRAL


Esse é um dos mais simples de compreender, e remete ao tradicional enquadramento de centralização, pois seu único ponto de tensão fica bem no meio da foto.


FIBONACCI

Fibonacci

Esse é um dos mais famosos: A estrutura

dele se baseia em uma proporção matemática chamada de Proporção Áurea, ou Número de Ouro, que equivale numericamente à algo perto de 1.61803399…


Essa proporção já era estudada na antiguidade pelos Gregos e foi muito usada na produção artística de pinturas, esculturas e na arquitetura clássica.


Se ficou curioso ou curiosa, não deixe de assistir essa animação maravilhosa chamada Donald no País da Matemágica:



TRIANGULAR

Essa regra é bem mais abstrata e pouco aplicada, mas pode ser uma orientação excelente para

Grade Triangular

fotos onde a perspectiva é diagonal e rotacionada, gerando fotos mais dinâmicas e interessantes.


Lembre-se que apesar de intituladas “REGRAS”, todas essas dicas de enquadramento não precisam ser respeitadas sempre.


Use-as ou ignore-as na frequência que for mais produtiva pra você. O que realmente importa no final é a sua satisfação com o resultado.


Acho que já está bom por hoje, conseguimos aprender muita coisa!


Tem algo que eu deixei passar? Me dá um puxão de orelha aqui nos comentários.


Quando estiver praticando seus primeiros testes com a Regra dos Terços e algumas outras que quiser experimentar, me marca lá no Instagram @gabrieljuanfotografia que eu vou adorar ver!


Um beijo e até a próxima!


46 visualizações